Pular para o conteúdo principal

VOCÊ CONHECE A CIDADE DE ONDE PARTIRAM OS PRIMEIROS MISSIONÁRIOS TRANSCULTURAIS?


 
Antioquia

1. A cidade de Antioquia, na Síria, foi fundada por Seleuco I (Nicátor) pouco depois que ele e os generais Cassandro e Lisímaco ganharam a batalha decisiva de Ipsos, na Frígia, Ásia Menor, em 301 AEC. Ele escolheu esse lugar devido às suas vantagens militares e chamou-o pelo nome de seu pai, Antíoco. No lugar do que hoje é chamado de Antáquia, na Turquia, Antioquia foi fundada do lado S do navegável rio Orontes, numa curva a cerca de 32 km do mar Mediterrâneo. Estava geograficamente situada de tal modo, que podia com facilidade dominar o comércio de todo o NO da Síria, que percorria as rotas entre o rio Eufrates e o mar Mediterrâneo. Logo se tornou um centro comercial, e suas manufaturas de itens luxuosos trouxeram prosperidade e riqueza à cidade cosmopolita. Para servir de porto marítimo de Antioquia, Seleuco também fundou a cidade costeira de Selêucia, chamada segundo o seu próprio nome.



Antes de ser assassinado, em 281 AEC, transferiu a sede de seu governo de Babilônia para sua nova capital síria, Antioquia, onde a dinastia selêucida de reis continuou no poder até 64 AEC, quando o general romano Pompeu fez da Síria uma província romana. Antioquia não só se tornou a capital da província romana da Síria, mas também se tornou a terceira maior cidade do império, depois de Roma e Alexandria.



A estrutura física da cidade fora disposta segundo o projeto de Alexandria, com grandes ruas, ladeadas de colunas, que se cruzavam, dando uma impressionante beleza ao esplendor dos prédios circundantes. Era chamada “A Rainha do Oriente”, “Antioquia, a Bela”, “A Terceira Metrópole do Império Romano”, e era ímpar por possuir um sistema regular de iluminação das ruas. Apesar desta exibição exterior de beleza e laboriosidade, granjeou a reputação de ser moralmente corrupta graças à prática aviltante de ritos orgíacos em nome da religião. Juvenal disse que ‘o rio Orontes tinha desaguado no rio Tibre, inundando Roma com a superstição e a imoralidade do Oriente’. — Juvenal and Persius (Juvenal e Pérsio), Sátira III, 62-65.



Conexões Bíblicas e História Posterior. Josefo registra que os selêucidas incentivaram os judeus a se estabelecer em Antioquia e lhes deram plenos direitos de cidadania, assim estabelecendo uma numerosa população judaica. A primeira menção de Antioquia na Bíblia é em conexão com Nicolau de Antioquia, que se tornou cristão depois de se ter tornado prosélito da religião judaica. (At 6:5) A atividade cristã direta começou ali quando alguns dos discípulos foram espalhados até Antioquia, devido à tribulação surgida após a morte de Estêvão. (At 11:19, 20) Quando a congregação em Jerusalém ouviu falar que muitas pessoas de língua grega se tornavam crentes, enviaram Barnabé até Antioquia e, quando este observou o interesse florescente ali, trouxe Paulo, lá de Tarso, para ajudá-lo. (At 11:21-26) Ambos moraram ali por um ano, ensinando as pessoas, e Paulo depois disso usou Antioquia como base para suas viagens missionárias. Foi em Antioquia que, por providência divina, os discípulos foram pela primeira vez chamados “cristãos”. (At 11:26) A generosidade da congregação foi expressa quando ela enviou uma subministração de socorros (At 11:29) pelas mãos de Paulo e Barnabé ao corpo governante em Jerusalém, por volta de 46 EC. Isto coincidiu com uma grande fome que ocorreu no tempo de Cláudio, conforme profetizada por Ágabo. (At 11:27, 28) Depois que retornaram a Antioquia, o espírito santo orientou que Paulo e Barnabé fossem separados para um trabalho especial, de modo que foram enviados na primeira viagem missionária de Paulo, por volta de 47-48 EC. Antes de ele iniciar sua segunda viagem missionária, e enquanto estava em Antioquia, surgiu a questão da circuncisão para os gentios, por volta de 49 EC, e o decreto do corpo governante em Jerusalém foi entregue por Paulo e Barnabé à congregação em Antioquia. (At 15:13-35) A segunda viagem missionária de Paulo, por volta de 49-52 EC, também começou e terminou em Antioquia, e foi também aqui que Paulo corrigiu a ação transigente de Pedro, de fazer discriminação entre judeus e gentios. — Gál 2:11, 12.



2. Antioquia, na Pisídia, também foi fundada por Seleuco I (Nicátor), e chamada em honra ao pai dele, Antíoco. As ruínas da cidade se encontram perto de Ialvaque, na Turquia moderna. Encontrava-se na fronteira da Frígia e da Pisídia, e assim poderia ser considerada parte de uma ou de outra destas províncias em épocas diferentes. Assim, o geógrafo grego, Estrabão, refere-se a ela como uma cidade da Frígia, voltada para a Pisídia (Geography [Geografia], 12, VIII, 13, 14), mas, como observa o Funk and Wagnalls New Standard Bible Dictionary (Novo Dicionário Bíblico Padrão de Funk e Wagnalls, 1936, p. 51), “a maioria dos escritores falam dela como sendo da Pisídia”, assim como fez Lucas. Esta identificação servia para distingui-la da Antioquia da Síria. Devido à sua localização, Antioquia, na Pisídia, tornou-se parte da rota comercial entre a Cilícia e Éfeso, e continha uma população mista, incluindo muitos judeus, que estabeleceram ali uma sinagoga. Era uma cidade de língua grega, totalmente helenizada. Paulo a visitou duas vezes junto com Barnabé, em sua primeira viagem evangelizadora, por volta de 47-48 EC, e pregou na sinagoga, encontrando muito interesse. (At 13:14; 14:19-23) No entanto, ciumentos das multidões que ali compareciam, certos judeus atiçaram alguns dos principais homens e mulheres da cidade, e lançaram fora dela a Paulo e Barnabé. — At 13:45, 50; 2Ti 3:11.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que significa "Afasta de mim esse cálice"?

“E adiantando-se um pouco, prostrou-se com o rosto em terra e orou, dizendo: Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mt 26:39)
 Uma notável discussão surge com relação ao verdadeiro significado do “cálice” citado por Jesus em Mt 26:39-42; Mc 14:36 e Lc 22:42.
 Essa discussão envolve: 1. A afirmação de que este cálice seria o medo de Cristo frente ao martírio que viria a acontecer; 2. A afirmação de que este cálice seria o medo de Cristo frente ao desconhecido que estaria por vir; 3. A afirmação de que este cálice seria o horror e a angústia que Cristo sentia diante do fato de saber que estaria sendo levado frente ao julgamento Divino.
 Com isso estabelece-se a discussão, e por isso se faz necessário analisar cada uma das afirmações citadas na busca pela compreensão do real significado do texto bíblico.
1. Medo frente ao martírio que viria a acontecer.
 Será que Cristo tinha medo de morrer?
 Ora, por diversas vez…

Salmos 90:12

"Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio." A cada dia estamos ficando velhos. Partes do nosso corpo já funcionam de maneira diferente ao que funcionavam há alguns anos atrás. Não fique triste por isso. Alegre-se, pois isso está ensinando que a vida terrena não é eterna, pois o melhor já está preparado para possuirmos: um novo corpo glorificado. Quando contamos os nossos dias, valorizamos cada instante proporcionado por Deus. Aprendemos a viver bem aqui, para, assim, conhecermos a verdadeira vida prometida por Deus. Contar os nossos dias é saber que "todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus", é poder dizer "tudo posso naquele que me fortalece", é dizer ao Pai: "seja feita a Sua vontade", é "entregar o caminho ao Senhor, confiar Nele, sabendo que tudo que necessito será acrescentado". Estas são as maravilhas de Deus para os seus filhos. É Ele mesmo que nos convida a contarmos cada …
A profecia bíblica não serve para satisfazer a pura curiosidade nem para especulações malucas ou para “revelações” particulares. Pelo contrário, ela nos fará praticantes da Palavra, cristãos com Jesus no centro de suas vidas, que vivem e agem de acordo com essa realidade. O próprio Senhor nos exorta a analisar o tempo em que vivemos à luz da profecia bíblica. Profecia hoje: sinais dos tempos Quando os fariseus e saduceus tentaram o Senhor Jesus pedindo-Lhe que mostrasse um sinal do céu, Ele lhes respondeu: “Chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado; e, pela manhã: Hoje, haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Sabeis, na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?” (Mt 16.2-3). Os religiosos daquela época não perceberam que o maior sinal de todos os tempos encontrava-se, em carne e sangue, bem à sua frente, e este era o Salvador Prometido. E hoje, diant…