Pular para o conteúdo principal

CRIANÇAS NO INFERNO!


Certamente este título causará impacto ao prezado leitor, não pela menção do inferno, mas pelo fato de se admitir a presença desses pequenos seres, quase angelicais, naquele terrível lugar.
Isto parece impossível dentro de uma teologia governada por uma tradição que tem as suas raízes num estereótipo (1). A satisfação pela explicação de um assunto, que parece ter sido dada, leva-nos a virar a página para  outro, quando aquele carecia ainda de uma revisão. Eis o que se passa com a nossa sistemática na área da soteriologia infantil (2).
Encaremos este assunto sob uma perspectiva bíblica, antes que pratiquemos mais injustiças com as nossas crianças.



Dois Falsos Argumentos
Costuma-se dizer que até os sete anos de idade a criança é inocente. Não são poucos os defensores desta idéia carente de um embasamento bíblico.
Alguns falam ,porque ouvem de quem não sabe o que diz.
Existe também aquele que, conscientemente, tenta justificar esta idéia, usando argumentos criados pelos estudiosos da psicologia, cuja finalidade é analisar o comportamento da criança de forma sistemática, desconhecendo, orém, que a psicologia não leva só em conta a idade cronológica, mas, também, a idade comportamental e o coeficiente intelectual e o coeficiente
intelectual.

Pode existir muita diferença entre uma e outra criança da 
mesma idade. As experiências variam. Uma série de fatores pode determinar essa variação de comportamento, como temperamento, educação, condição social, aptidões, alimentação etc.

A história registra grandes nomes que se destacaram como meninos prodígios e que são dignos de menção, como Pepito Arriola, que, aos três anos e três meses, improvisou árias harmoniosas no piano, impressionando os assistentes do Congresso de Psicologia realizado em 1900, em Paris. 
William Sidis, que aos dois anos lia e escrevia, aos quatro falava quatro línguas, aos dez resolvia os mais complexos problemas de geometria, fazendo uma conferência sobre a quarta dimensão. Hamilton, que aos três anos estudava o hebraico, aos 13 sabia 12 línguas, e aos 18 era um dos maiores matemáticos do seu tempo. Liszt dava o seu primeiro concerto aos nove anos e aos 14 compunha uma ópera. Mozart, que aos cinco anos compôs       uma sinfonia, aos 11 produziu duas óperas.Young, que aos oito sabia falar seis línguas. Gass, que aos três resolvia problemas de aritmética. Miguel Ângelo, que aos oito sabia todos os segredos da arte. Macauley, que aos oito escreveu um compêndio de história universal. Gianella de Marco,que aos cinco regeu nos teatros de Buenos Aires, Rio de Janeiro e São Paulo orquestras compostas por 100 músicos, assombrando grandes regentes.
A precocidade infantil é sempre uma realidade. É verdade que não é tão comum na proporção desses acontecimentos que mostramos, mas está claro de que crianças com muito menos de sete anos já formaram um juízo de valor, tais como: bem ou mal, certo ou errado.

Essa idéia de que até os sete anos a criança é inocente pode ser uma maneira de não se querer assumir responsabilidade por ela. Pior do que isso, é o desinteresse que se demonstra pela criança no que tange à oportunidade de aceitar a Cristo, seja ou não filha de crente. Uma vez acreditando que até os sete anos ela é inocente, logo que chegasse a essa idade, deveria ser levada à experiência da conversão. Porém, o que se vê não é isso. A criança geralmente passa dos sete, dos oito, nove ou mais e nunca encontra esta oportunidade, a menos que demonstre mais idade pelo tamanho.
Depois de uma abençoada mensagem, o pregador faz o apelo. Dez pessoas decidem-se por Cristo. Dessas, quatro são crianças. Então, ele diz: “Há seis almas para Cristo e também algumas crianças”. Além de não serem contadas, elas não são almas. Caberia aqui uma perguntar: A alma tem tamanho? Outros há que, se uma criança decide-se por Cristo, dizem: “Não há ninguém hoje”. E não oram por ela.

O segundo argumento é utilizar a expressão “das tais é o reino de Deus” como doutrina absoluta de salvação infantil, sem considerar os limites demonstrados pelo contexto bem à luz dos originais. Em Lucas 18.15-17, começa a narrativa de Jesus abençoando as crianças com o termo BREFOS que  no grego quer dizer: crianças recém-nascidas. Embora o texto empregue depois o termo PAIDION que indica crianças, sem especificar idade, subentende-se ainda, pelo contexto de Marcos 10.13-16, que seja crianças      pequenas,porque diz que Eles as tomou nos braços.
Enquanto inocente a criança está debaixo da proteção do sangue de Jesus.
Seria uma contradição da própria lei,condenar um inocente, Jô 4.7. O que questionamos, no entanto, é o limite dessa inocência, uma vez que a Bíblia não nos dá. O que não podemos, é tentar abrir uma porta onde as chaves não nos chegaram às mãos. Buscar no conceito popular ou na psicologia as bases para estabelecer um dogma, é procurar chaves emprestadas; ademais, não é fora da Bíblia que buscamos os fundamentos da nossa fé. Enquanto Jesus falou que “das tais é o reino de Deus” (referindo-se a criancinhas), em Mateus 18, depois de haver dado uma lição de conversão aos discípulos, tomando uma criança como modelo, pela sua implicidade, humildade e facilidade de acreditar, Ele concluiu dizendo que não é da vontade do Pai que nenhum desses pequeninos se perca. Ora, nesta expressão, ele admitiu esta possibilidade. Em Apocalipse 20.12, João diz que viu grandes e pequenos que compareciam para juízo diante do trono do      Cordeiro. O termo “pequenos” é MIKRON (gr), o mesmo que se emprega para crianças, freqüentemente na Bíblia, como no texto já citado em Mateus 18, onde aparece pelo menos três vezes.

SEGUNDO PLANO
Jesus disse: “Vede, não desprezeis algum destes pequeninos”, Mt 18.10. 
Desprezar ou atrapalhar a aproximação delas a Cristo, é fator histórico. E Jesus reparou isso com pesar. Os discípulos e Jesus repreendiam as pessoas que traziam as criancinhas para serem tocadas por Ele. Jesus, então, disse-lhes que não as estorvassem, mas que as deixassem vir a Ele, Mt 19.13-16. Noutra ocasião, Jesus depois de haver curado cegos e coxos, foi adorado pelas crianças. Os sacerdotes e os escribas ficaram indignados com       elas, quando Jesus lhes mostrou que o louvor perfeito emanava delas, Mt 21.15-16.

Estamos falando da oportunidade que devemos dar às crianças, sem considerar as muitas formas de desprezo que lhes demonstramos como: piores lugares, quando não são retiradas do culto, para não atrapalhar a reunião, ou mesmo quando são levadas ao culto de oração pelos pais como forma de castigo, etc. Depois, se não permanecem na igreja, a culpa é lançada sobre eles. Será que somos capazes de assumir uma parte nessa culpa? A única 
coisa que pode dar segurança para alguém é a salvação. Como poderemos ver essas crianças de hoje, como jovens e adultos, na igreja, se privamos dessa gloriosa experiência?


IDADE DE OURO
Todos deveriam saber, especialmente os pais e os professores da Escola  Dominical, que a melhor fase de aprendizagem para a criança é a que vai dos dois aos seis anos de idade. A faixa que muitos desprezam, por considerarem o ponto alto da inocência, é a que melhor se pode incutir a fé na sua mente que se apresenta como um vaso desocupado e apto para receber tudo o que se quiser pôr com a vantagem de não se perder. O que vem à mente da criança, nessa época, é para ficar. Veja o caso de Moisés       em Êxodo 2.9: “Então lhe disse a filha de Faraó: Leve este menino e cria-mo”.

A palavra "criar", no hebraico, quer dizer: terminar de amamentar. O 
alactamento terminava aos quatro ou cinco anos. Foi nesse período que Moisés precisou de sua mãe, Joquebede, para depois voltar ao palácio e ser tratado como filho da filha de Faraó.
Foi neste período de sua vida que ele recebeu toda a informação sobre o seu povo e seu Deus. A maior escola de sua vida não foi a que cursou aos pés dos sábios do Egito, mas aos pés de sua mãe. Ouvindo as suas palavras, ele adquiriu fé para tomar a iniciativa de estar ao lado de seu povo a ponto de livrá-lo do Egito, Hb 11.24-26.

Um outro exemplo é o de Timóteo. Paulo fê-lo lembrar das sagradas letras que havia aprendido de sua mãe e de sua avó, quando era menino. O termo traduzido aí por meninice (2Tm 3.15) no original é BREFOS, que compreende o início da vida: recém-nascidos ou criança apenas.
Concluímos, por estes exemplos,que perdemos grandes oportunidades para com as nossas crianças, por considerá-las incapazes de algo que Deus preparou para todos os homens: um caminho que nem mesmo os loucos são privados de  seguirem, Is 35.8.
Acreditemos no potencial infantil, seja para aprender, como para decidir, e devolvamos a elas um direito que lhes foi conferido pelo próprio Senhor  Jesus!

Estereótipo: uma idéia que fixou de tão repetida que foi
Soterologia: estudo ou tratado sobre salvação  

Lembremos aqui que os discípulos cometiam ainda sérios enganos até a morte e ressurreição de Jesus, porém depois deram provas de 
amadurecimento.

Autor:
Pr. Walter Brunelli  é casado com Márcia e pai de dois filhos, Ricardo e Rebeca.
Presidente da AD Bereana em São Paulo.

O pastor Walter Brunelli é conhecido também por seus livros como:
A  Vontade de Deus e Você; O Que Você Pode Fazer na Plenitude do Espírito; Conhecidos Pelo Amor; Levando a Sério o Sobrenatural e muitos outros. 
Comentarista de lições para Escola Bíblica Dominical e articulista de  várias revistas e jornais evangélicos, é também o presidente da APEL – Academia Paulista Evangélica de Letras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que significa "Afasta de mim esse cálice"?

“E adiantando-se um pouco, prostrou-se com o rosto em terra e orou, dizendo: Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mt 26:39)
 Uma notável discussão surge com relação ao verdadeiro significado do “cálice” citado por Jesus em Mt 26:39-42; Mc 14:36 e Lc 22:42.
 Essa discussão envolve: 1. A afirmação de que este cálice seria o medo de Cristo frente ao martírio que viria a acontecer; 2. A afirmação de que este cálice seria o medo de Cristo frente ao desconhecido que estaria por vir; 3. A afirmação de que este cálice seria o horror e a angústia que Cristo sentia diante do fato de saber que estaria sendo levado frente ao julgamento Divino.
 Com isso estabelece-se a discussão, e por isso se faz necessário analisar cada uma das afirmações citadas na busca pela compreensão do real significado do texto bíblico.
1. Medo frente ao martírio que viria a acontecer.
 Será que Cristo tinha medo de morrer?
 Ora, por diversas vez…

Salmos 90:12

"Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio." A cada dia estamos ficando velhos. Partes do nosso corpo já funcionam de maneira diferente ao que funcionavam há alguns anos atrás. Não fique triste por isso. Alegre-se, pois isso está ensinando que a vida terrena não é eterna, pois o melhor já está preparado para possuirmos: um novo corpo glorificado. Quando contamos os nossos dias, valorizamos cada instante proporcionado por Deus. Aprendemos a viver bem aqui, para, assim, conhecermos a verdadeira vida prometida por Deus. Contar os nossos dias é saber que "todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus", é poder dizer "tudo posso naquele que me fortalece", é dizer ao Pai: "seja feita a Sua vontade", é "entregar o caminho ao Senhor, confiar Nele, sabendo que tudo que necessito será acrescentado". Estas são as maravilhas de Deus para os seus filhos. É Ele mesmo que nos convida a contarmos cada …
A profecia bíblica não serve para satisfazer a pura curiosidade nem para especulações malucas ou para “revelações” particulares. Pelo contrário, ela nos fará praticantes da Palavra, cristãos com Jesus no centro de suas vidas, que vivem e agem de acordo com essa realidade. O próprio Senhor nos exorta a analisar o tempo em que vivemos à luz da profecia bíblica. Profecia hoje: sinais dos tempos Quando os fariseus e saduceus tentaram o Senhor Jesus pedindo-Lhe que mostrasse um sinal do céu, Ele lhes respondeu: “Chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado; e, pela manhã: Hoje, haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Sabeis, na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?” (Mt 16.2-3). Os religiosos daquela época não perceberam que o maior sinal de todos os tempos encontrava-se, em carne e sangue, bem à sua frente, e este era o Salvador Prometido. E hoje, diant…